MINISTÉRIO DO AMBIENTE QUER CRIAR EMPRESA PARA GERIR LAMAS E EFLUENTES AGROPECUÁRIOS 

Água&Ambiente na Hora

Para encontrar as soluções mais adequadas, caso a caso, e permitir o cumprimento da ENEAPAI - Estratégia Nacional para os Efluentes Agropecuários e Agroindustriais, o Ministério do Ambiente vai criar um "instrumento empresarial", anunciou o Secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins.

 

Para já, a avaliação é "relativamente negativa", no que respeita ao cumprimento desta estratégia que conta já uma década, sendo que a suinicultura é um dos setores mais problemáticos. "Apostámos e desenhámos soluções, com esperança que as entidades envolvidas pudessem concretizar essas soluções, mas tal não foi possível", explicou o governante. Por isso, Carlos Martins quer agora soluções mais estruturadas.

"Se para resolver estes problemas ambientais a administração tem de mobilizar recursos financeiros e outros então é o que vamos fazer. O mercado não está a resolver o problema, portanto, o Estado tem de intervir e vamos fazê-lo apenas até existir essa necessidade".

De acordo com Carlos Martins, a empresa terá a liderança da Águas de Portugal, holding estatal que está, aliás, a trabalhar há alguns meses num plano global de gestão de lamas, que também deverá ser enquadrado nesta empresa.

"Já no passado a AdP foi a alavanca para negócios que depois ganharam peso no mercado nacional e depois saiu desse segmento. Foi o que aconteceu com a Recipneu, por exemplo, e é o que pretendemos fazer agora com esta nova entidade", apontou Carlos Martins.

A deslocalização de empresas para zonas menos problemáticas, como forma de resolução dos problemas ambientais no setor suinícola, é uma das soluções em cima da mesa, para as quais autarquias e representantes associativos estão já mobilizados.
 
A revisão da ENEAPAI deverá estar concluída no final deste mês de março, prevendo-se que seja aprovada ainda no primeiro semestre deste ano.

Acompanhe outras notícias de atualidade, comentários e artigos de opinião no Ambiente Online.